LEGISLAÇÃO

ABPM engrossa coro contrário ao 'Imposto do Pecado' na mineração

A Associação Brasileira das Empresas de Pesquisa Mineral e Mineração (ABPM) engrossou o coro de entidades e setores contrários à adoção do "Imposto do Pecado", como é conhecido o Imposto Seletivo, incluído na Reforma Tributária aprovada no ano passado e que ainda será regulamentado pelo Congresso. O tributo sobretaxa produtos e atividades consideradas nocivas à saúde e ao meio ambiente, incluindo a mineração.

Setor mineral fornece insumos para diversas outras indústrias/Reprodução

Setor mineral fornece insumos para diversas outras indústrias/Reprodução

A entidade afirma em nota divulgada nesta quinta-feira (20) que o "Imposto do Pecado" vai inibir os investimentos no setor mineral e, consequentemente, afetar toda a cadeia produtiva da indústria brasileira....

Faça um teste gratuito para continuar lendo este artigo
Já tem uma conta?  
Assine Agora