17 mineradoras têm dois anos para descaracterizar barragens em MG

As barragens construídas pelo método de alteamento a montante, em Minas Gerais, têm dois anos para serem desfeitas. A decisão publicada no dia 30 de janeiro, pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), inclui 17 mineradoras, incluindo a Vale e a Samarco. Essa tecnologia é a mesma da mina Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), que se rompeu há dez dias, e da Barragem de Fundão, em Mariana (MG), destruída em novembro de 2015.

17 mineradoras têm dois anos para descaracterizar barragens em MG 17 mineradoras têm dois anos para descaracterizar barragens em MG 17 mineradoras têm dois anos para descaracterizar barragens em MG 17 mineradoras têm dois anos para descaracterizar barragens em MG 17 mineradoras têm dois anos para descaracterizar barragens em MG

Lama de rejeitos da barragem a montante da mina Córrego do Feijão, da mineradora Vale, em Brumadinho (MG)

A Vale, com 21 barragens, incluindo duas da subsidiária Minerações Brasileiras Reunidas (MBR), lidera a lista.