Mina da Nexa está entre as 10 maiores minas de zinco do mundo

A Fitch Solutions Macro Research prevê, em relatório publicado nesta semana, que a produção global primária de zinco aumente 3,5% em 2018, para 13,7 milhões de toneladas, e suba para 16,8 milhões até 2027.
Mina da Nexa está entre as 10 maiores minas de zinco do mundo Mina da Nexa está entre as 10 maiores minas de zinco do mundo Mina da Nexa está entre as 10 maiores minas de zinco do mundo Mina da Nexa está entre as 10 maiores minas de zinco do mundo Mina da Nexa está entre as 10 maiores minas de zinco do mundo

10 maiores minas de zinco do mundo

Globalmente, a produção de zinco extraído continua a crescer nos próximos anos, à medida que os preços elevados incentivam as mineradoras a reiniciar a capacidade ociosa e novas minas-chave entrarem em operação, de acordo com o relatório.

O documento traz perspectivas para a produção global de zinco e enfoca as análises de tendências do setor na Austrália, Canadá, Peru, China, EUA, Cazaquistão, México, Namíbia, Índia e Irã.

A perspectiva global de mineração de zinco também identifica as dez maiores minas de zinco em volume de produção. A Índia abriga a maior mina de zinco e chumbo do mundo: Rampura Agucha, da Vedanta Resources.

Em segundo lugar vem a mina de zinco Red Dog, que fica no Alasca, nos Estados Unidos, e pertence à Teck Resources. Em terceiro lugar vem a mina de Antamina, no Peru, que pertence à mineradora Antamina, que tem como principais sócios a BHP e a Glencore, com 33,75% cada um, seguidos da Teck, com 22%.

Em quarto lugar, está a mina Mount Isa, na Austrália, que é da Mount Isa Mines, empresa que pertence à Glencore, desde 2013. Na quinta posição, vem a mina polimetálica Penasquito, da GoldCorp no México.

A mina polimetálica San Cristobal, na Bolívia, ocupa a sexta posição e pertence ao grupo japonês Sumitomo Corporation. Em sétimo lugar, vem a mina McAurthur River, na Austrália, que é da Glencore.

A mina Cerro Lindo, da Nexa Resources, antiga Votorantim Metais, fica no Peru e ocupa a oitava colocação. Em seguida, vem a mina Tara, na Irlanda, que pertence à Boliden. E, fechando a lista, em décimo lugar, está a mina Skorpion, na Namíbia, que é da Vedanta.

O relatório prevê que a produção de zinco na China ficará estagnada devido ao declínio nos níveis de minério e às regulamentações ambientais cada vez mais rigorosas. A China continuará sendo um participante fundamental na produção global de minas de zinco.

No mesmo relatório, o Brasil aparece na lista dos maiores projetos de zinco em construção, com o empreendimento Aripuanã, da Nexa Resources, no Mato Grosso. O projeto tem investimento estimado em US$ 354 milhões e início previsto para 2020. Com informações da Fitch.

 

 

topics

loader