Mineração Serra Verde investe US$ 170 Mi em projeto em Goiás

Segundo empresa, o valor será investido nos próximos dois anos na construção e implantação da mina e planta industrial para processamento de terras-raras em Minaçu (GO).
Mineração Serra Verde investe US$ 170 Mi em projeto em Goiás Mineração Serra Verde investe US$ 170 Mi em projeto em Goiás Mineração Serra Verde investe US$ 170 Mi em projeto em Goiás Mineração Serra Verde investe US$ 170 Mi em projeto em Goiás Mineração Serra Verde investe US$ 170 Mi em projeto em Goiás

Área do projeto de terras-raras da Mineração Serra Verde em Minaçu (GO).

A Mineração Serra Verde (MSV) investirá US$ 170 milhões nos próximos dois anos no projeto de terras-raras da empresa em Minaçu (GO). Segundo Guilherme Guimarães, CFO e COO da companhia, o valor corresponde à estimativa de gastos com a construção e implantação da mina e planta industrial para processamento de terras-raras no Estado. A previsão da empresa é que o projeto entre em operação em 2020, gerando cerca de 300 empregos diretos e 600 indiretos na região.

"O projeto foi muito bem desenvolvido, com custos competitivos com o mercado chinês, e a Mineração Serra Verde estima, além da geração de empregos, o desenvolvimento industrial e social em Minaçu e região", declarou Guimarães, em entrevista por e-mail ao Notícias de Mineração Brasil (NMB) nesta sexta-feira (19).

De acordo com o CFO e COO da companhia, no dia 27 de abril foi realizada a audiência pública do projeto. Nela, foram apresentados todos os aspectos relacionados ao meio ambiente e sobre o empreendimento em geral. "Cumprida esta etapa, nossa expectativa é que a Licença Prévia seja liberada em breve, quando poderemos dar continuidade ao processo de licenciamento, com atividades para a obtenção da Licença de Instalação", afirmou.

Sobre os direitos minerais, Guimarães disse ao NMB que "todos os relatórios e aprovações junto ao DNPM [Departamento Nacional de Produção Mineral] já foram obtidos".

A área do projeto de terras-raras da Mineração Serra Verde é de aproximadamente 85 mil hectares. Segundo o CFO e COO da empresa, apenas 15% da área foi explorada até o momento, cujos resultados são suficientes para uma operação superior a 50 anos.

"O processamento é simples e composto por lixiviação, purificação e concentração. Inicialmente, a Mineração Serra Verde, irá produzir apenas o concentrado de terras-raras, rico em elementos classificados como terras-raras críticas (Pr, Nd, Tb, Dy). Uma vez produzido, este concentrado deve passar por um processo de separação para obtenção dos elementos individuais. Infelizmente, neste momento, o Brasil não possui tecnologia nem indústria capaz de efetuar esta separação em larga escala e com custos compatíveis com o mercado asiático, em especial chinês, a fim de se obter um produto a preços competitivos, desta forma, a Serra Verde deve exportar sua produção para separadores asiáticos ou europeus", afirmou.

Questionado pelo NMB sobre os planos da empresa para este ano, Guimarães declarou que a expectativa da mineradora é "a obtenção da Licença Prévia em breve, o que nos dará a possibilidade e credenciamento para iniciar as atividades da Licença de Instalação. Somente após a obtenção da Licença de Instalação poderemos iniciar as obras para construção e instalação da indústria".

Mineração Serra Verde

O Grupo Mining Ventures Brasil foi fundado em 2008 pelos fundos de investimento Denham Capital Management LP e Arsago Mining Capital, com o objetivo de realizar a exploração mineral em diversas áreas no Brasil. Já foram desenvolvidos projetos de ouro, cobre, minério de ferro, fosfato e terras-raras, além de análises iniciais de outros minerais como manganês, tungstênio, bauxita, entre outros.

A Mineração Serra Verde, um dos projetos do grupo, surgiu em 2010, quando foram identificadas ocorrências geológicas em áreas livres junto ao DNPM, com características para terras-raras. Desde então, foram gastos milhões de dólares na exploração mineral, com mais de 58 metros sondados, elaboração de estudos e relatórios conceituais e de pré-viabilidade, seguindo as normas canadenses NI 43-101, além do desenvolvimento conceitual e testes no Brasil e no exterior para o processamento das terras-raras.

Atualmente a empresa está em fase de refinamento do processo produtivo e conta com 30 empregados diretos.

topics

loader
article_image