LEGISLAÇÃO

Mineração tem estratégia para reduzir impacto do 'imposto do pecado'

O setor de mineração se articula para reduzir na regulamentação da reforma tributária o impacto do novo Imposto Seletivo, também chamado de “imposto do pecado”, que sobretaxa produtos e atividades nocivas à saúde e ao meio ambiente. O fundamental para as mineradoras é barrar a cobrança de 1% sobre o valor do mercado do produto extraído na exportação, mantendo a competitividade do produto brasileiro.

Mina Serra Leste, da Vale/Divulgação

Mina Serra Leste, da Vale/Divulgação

Um forte argumento para tentar sensibilizar o Ministério da Fazenda e o Congresso Nacional é que, se o novo imposto for mantido, haverá bitributação sobre as mineradoras, que já recolhem bilhões de reais...

Faça um teste gratuito para continuar lendo este artigo
Já tem uma conta?  
Assine Agora