Pesquisa traça perfil dos principais CEOs da mineração

Um levantamento criado para traçar o perfil dos CEOs das 25 principais mineradoras de ouro, cobre, carvão e metais básicos mostra que 98,4% são homens, com idade média de 55 anos e salários que podem ultrapassar US$ 4 milhões por ano.
Pesquisa traça perfil dos principais CEOs da mineração Pesquisa traça perfil dos principais CEOs da mineração Pesquisa traça perfil dos principais CEOs da mineração Pesquisa traça perfil dos principais CEOs da mineração Pesquisa traça perfil dos principais CEOs da mineração

O trabalho, publicada na forma de infográfico pelo website Visual Capitalist, no mês passado, apontou ainda que 23% dos executivos analisados não possuem, ou não completaram, pós-graduação ou especialização.

De acordo com o levantamento, intitulado “The Best and Brightest CEOs in Mining”, das 125 mineradoras analisadas, 38,7% estão sediadas no Canadá, 24,2% nos Estados Unidos, 20% na Austrália, 12,1% no Reino Unido e 2,4% na África do Sul. Brasil, Peru e México também aparecem na lista, com 0,8% cada.

Considerando a distribuição por commodities, a pesquisa considerou Barrick Gold, Goldcorp, AngloGold Ashanti, Newmont Mining e Newcrest Mining como as cinco principais mineradoras de ouro do mundo. BHP Billiton, Rio Tinto, Freeport-McMoran, Anglo American e Southern Copper foram eleitas as cinco principais dos segmentos de cobre, carvão e metais básicos. Entre as produtoras de prata, as escolhidas foram Fresnillo, Tahoe Resources, Pan American Silver, First Majestic Silver e Hecla Mining.

Dos 125 CEOs da mineração analisados pela Visual Capitalist, 98,4% são homens, restando 1,6% dos cargos para o sexo feminino. Atualmente, as mulheres são representadas no setor pelas executivas Gill Winckler, da Coalspur Mines, e Andrea Sutton, da Energy Resources of Australia.

A idade média dos CEOs é de 54,6 anos, sendo que o mais jovem do setor de mineração é Bill Beament, da Northern Star Resources, de 38 anos, e o mais velho é Desmond O´Conor, da Autofagasta, de 75.

As idades variam de acordo com o segmento. No caso das produtoras de ouro, eles têm de 44 a 64 anos. As mineradoras de prata apresentam CEOs de 41 a 63 anos. No segmento de cobre, as idades variam de 38 a 75 anos e no de carvão vão de 39 a 66. Já os CEOs do segmento de metais de base têm de 39 a 74 anos.

Também foram consideradas os cargos ocupados por esses CEOs antes de chegarem ao cargo máximo de suas respectivas mineradoras. O levantamento aponta que 30 dos 125 executivos analisados já exerciam a função de CEO, 23 eram presidentes das empresas, 19 eram COO, 15 eram CFO e 37 eram vice-presidentes, vice-presidentes seniores ou vice-presidentes executivos. Outros 18 eram diretores administrativos.

O maior salário recebido em 2013, US$ 4.140.956, foi de Dennis Marks Bristol, da produtora de ouro Randgold Resources. Aquele que teve a maior remuneração durante o ano, no mesmo segmento, foi Peter Marrone, da Yamana Gold, com US$ 10.392.168. Segundo a Visual Capitalist, é preciso considerar que boa parte das receitas é derivada de opções de ações e outros incentivos financeiros.

Entre as principais produtoras de prata, o maior salário recebido foi do CEO da Hochschild Mining, Ignacio Bustamante, de US$ 1,092 milhão. Mas Phillips Backer Junior, da Hecla Mining, foi quem mais faturou entre os CEOs do segmento no ano passando, com US$ 3.854.679.

Sam Walsh, CEO da Rio Tinto, foi quem recebeu os maiores salários dos segmentos de cobre e metais de base, chegando a US$ 3,053 milhões por ano. Mas foram Richard Adkerson, da Freeport Mc-Moran, e Donald Lindsay, da Teck Resources, que acumularam mais, respectivamente, nos setores de cobre e metais de base, em 2013. Adkerson com US$ 14.011.376 e Lindsay com US$ 9,9 milhões.

Os US$ 2,17 milhões recebidos no ano passado por Andrew Mackenzie, CEO da BHP Billiton, foi o maior salário entre os CEOS do carvão. Mas foi J. Brett Harvey, da Consol Energy, quem acumulou mais no segmento em 2013, chegando a receber US$ 15.170.492.

Em relação a escolaridade dos CEOs, 63,2% são bacharéis na área de Exatas, 16,8% na área de Comércio, Negócios ou Administração e 8,8% na área de Humanas. Outros 11,2% não tiveram seus níveis de escolaridade divulgados.

Cerca de 23% dos CEOs possuem MBA, o mesmo percentual daqueles que não possuem nenhum tipo de especialização. Outros 18,5% são PhD, 10,4% especializados em Contabilidade, 8,1% em Direito, 7,4% em Engenharia e 4,4% em Geologia.

O levantamento está disponível no website do Visual Capitalist.

loader