BIZARRO: Metais pesados provocam mutações em caranguejos no litoral de São Paulo

Conheça o lado curioso e insólito da mineração e dos minerais: As minas de diamante mais ricas do mundo; A mina de ouro mais profunda do mundo.
BIZARRO: Metais pesados provocam mutações em caranguejos no litoral de São Paulo BIZARRO: Metais pesados provocam mutações em caranguejos no litoral de São Paulo BIZARRO: Metais pesados provocam mutações em caranguejos no litoral de São Paulo BIZARRO: Metais pesados provocam mutações em caranguejos no litoral de São Paulo BIZARRO: Metais pesados provocam mutações em caranguejos no litoral de São Paulo

Metais pesados provocam mutações em caranguejos no litoral de São Paulo

Uma pesquisa realizada no Estado de São Paulo mostrou que a poluição tem afetado a vida dos caranguejos-uçá dos manguezais das cidades litorâneas. Alguns animais estão nascendo com má formações devido a grande quantidade de metais pesados encontrados em cinco cidades da região. Foram analisadas cinco áreas em cinco municípios litorâneos: Bertioga, Cubatão, São Vicente, Peruíbe, Iguape e Cananeia. Das áreas analisadas, foram encontrados chumbo e cobre nos sedimentos, além de cádmio e mercúrio.

Segundo especialistas, em Iguape, as fontes de metais pesados são os resíduos de mineração que vieram com o Rio Ribeira de Iguape. Já em São Vicente, as principais vias de contaminação seriam os lixões, como o Sambaiatuba, visto que, mesmo após desativados, podem continuar emitindo metais pesados por até 25 anos.

De acordo com os pesquisadores responsáveis, a contaminação do meio ambiente é proveniente do Polo Industrial de Cubatão, do Porto de Santos, e dos lixões da região. Segundo a pesquisa, o consumo desse caranguejo contaminado traz riscos à saúde. De acordo com o biólogo marinho Marcelo Pinheiro, quando esses metais pesados são consumidos, eles acumulam no corpo. As informações são do Portal G1.

As minas de diamante mais ricas do mundo

A mina de diamante de Jwaneng, em Botsuana, é a mina mais rica em diamantes do mundo por valor de diamantes recuperados. O nome da mina significa “lugar de pedras pequenas” e produz cerca de 9,3 milhões de toneladas de minério de kimberlito por ano em uma relação de 1,25 quilate de diamantes por tonelada.

A mina de Argyle, na Austrália, cobre uma área de 45 hectares, e a maioria dos diamantes são recuperados pela tubulação principal e em menor parte pelo depósito aluvial dos riachos de Smoke e Limestone. A mina de Argyle é especialmente famosa pela quantidade de diamantes rosas que são extraídos, além de extrair a maioria de seus diamantes do Lamproito, não do kimberlito, como a maioria das minas pelo mundo.

Os diamantes extraídos de Argyle são únicos, uma vez que são mais rígidos que outros diamantes extraídos pelo mundo. Isso se deve a sua estrutura atômica, na qual átomos são ligados em arranjos muito complexos e, cerca de 70% desses diamantes, ficam fluorescente quando iluminados com luz ultravioleta, dando um tom de azul único.

A mina de ouro mais profunda do mundo

Durante muitos anos, a mina de ouro em Savuka, na África do Sul, foi conhecida mundialmente como a mina mais profunda do mundo, com 3.777 metros. Mas em fevereiro de 2009, a mina de Mponeng, África do Sul, foi escavada a uma profundidade de 3.778 metros, tomando o título de mina mais profunda do mundo.

Uma mina com essa profundidade opera com temperaturas próximas a 55 graus centígrados, por isso a mina abriga diversas centrais elétricas, gerando um total de 76 MW para manter as condições de trabalho adequadas. Engenheiros de minas preveem que ainda será possível lavrar a 6 mil metros de profundidade.

loader